Blog DiCorpo

Se você procura qualidade, inovação e bem-estar,
seja bem-vindo à DiCorpo!

Sete cuidados básicos na prática de exercícios físicos

Inserir atividades físicas é um dos pilares para uma vida mais saudável. Segundo a Federação Mundial de Cardiologia, pessoas que não praticam atividades físicas têm um risco duas vezes maior de sofrer doenças do coração, ter pressão alta e desenvolver diabetes quando comparadas a quem pratica exercícios físicos regularmente, independente do fato de estar ou não acima do peso.

A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é de realizar pelo menos 150 minutos de atividade moderada por semana. Entre as práticas recomendadas estão a caminhada - o mais básico dos exercícios -, o ciclismo e até serviços domésticos. A melhor opção é sempre realizar atividades físicas com supervisão. No entanto, a OMS reforça em suas recomendações que os riscos de não se exercitar são muito maiores do que os de fazer atividades físicas sozinho. Para proteger sua saúde sem expor seu corpo a lesões, o Programa Nossa Gente Mais Saudável elencou sete cuidados que você deve ter antes de começar a se exercitar. Confira. 

1. Consulte seu médico
Consultar um médico antes de iniciar uma atividade física é um cuidado obrigatório para qualquer pessoa. Principalmente se houver fatores de risco associados, como a hipertensão ou o diabetes. A atividade física deve ser preferencialmente supervisionada por educador físico, o profissional apto a definir intensidade, duração e o tipo de exercício físico, tornando-o mais eficiente e seguro. Mas nos casos em que não for viável o acompanhamento desse profissional, a atividade física não deve ser evitada, mas realizada de acordo com a recomendação médica. 

2. Não se esqueça de fazer o aquecimento
Exercícios preparatórios são importantes para a comunicação do sistema muscular com o sistema nervoso e, por isso, o rendimento fisiológico da pessoa melhora muito. O aquecimento eleva a temperatura corporal e aumenta a frequência cardíaca, dessa forma, mais sangue é bombeado, levando nutrientes e oxigênio para os músculos. Além disso, é durante o aquecimento que ocorre um aumento da frequência respiratória, importante para o bom rendimento. 

3. Escolha o melhor lugar 
Ao optar por caminhadas ao ar livre, o ideal é procurar por terrenos livres de obstáculos e buracos, além de planos. Esse cuidado tornará a caminhada mais leve, ideal para quem está começando a praticar um exercício físico. Com a progressão na caminhada é possível mudar o estímulo, alternando entre terrenos planos e pequenas subidas. 

4. Intensidade gradual 
Para definir a intensidade do treino deve ser analisado o condicionamento físico individual, por isso, o ideal é procurar um médico e um educador físico antes de começar a se exercitar. De uma maneira geral, comece com um ritmo confortável e evolua de acordo com o ganho de condicionamento físico. 

5. Tempo e frequência
As primeiras semanas de exercício físico são um período de adaptação do corpo à atividade física, por isso, a recomendação é iniciar com 20 minutos, três vezes por semana. Na segunda semana, você pode se exercitar por 20 minutos quatro vezes por semana e na terceira aumentar o treino de cada sessão em 10 minutos. Na quarta semana cumpra trinta minutos cinco dias na semana. Nesse momento você estará cumprindo os 150 minutos de atividade moderada recomendados pela Organização Mundial de Saúde! 
Atenção: mesmo exercícios aeróbicos precisam de um tempo de descanso entre eles. Espere pelo menos 24 horas e caso sinta dores, espere até que elas passem ou faça uma caminhada leve nesse dia. Caso a dor persista, procure um médico. 

6. Mantenha a postura
Correr e caminhar são gestos individuais, cada um possui uma maneira de correr e caminhar. Se o indivíduo se sente bem correndo com o seu tronco mais inclinado ou até mesmo com uma amplitude de passada mais curta e isso não lhe traz desconforto ou gera lesão não existe motivo para tentar modificar tudo isso, a menos que haja riscos para a sua saúde.

Um dos pontos importantes a observar e que deve ser corrigido é a maneira da entrada e saída do pé no solo. Ela deve ser feita do calcanhar (aterrissagem) para a parte próxima aos dedos, preparando para a fase em que o pé fica fora do chão. As costas devem permanecer eretas, com o tronco levemente curvado para frente no caso da corrida. O olhar também deve se fixar à frente, mantendo o pescoço relaxado. O movimento dos braços ajuda no equilíbrio e na coordenação das passadas de forma cadenciada. 

7. Ouça os sinais do corpo 
Durante o exercício, fique atento à sua frequência cardíaca. Ao realizar exercício aeróbico moderado o coração bate mais acelerado e isso é normal, mas o aceleramento não deve ser excessivo. Caso sinta seus batimentos cardíacos excessivamente acelerados pare a atividade imediatamente.
A respiração é outro parâmetro para saber se estamos no caminho certo. A falta de ar ao correr ou caminhar indica que as moléculas de oxigênio não estão sendo adequadamente absorvidas pelo sangue. A resposta normal do corpo frente a esse esforço é cessar a atividade. Para evitar a parada brusca, o ideal é, assim que faltar o fôlego, diminuir o ritmo até a respiração voltar ao normal. 

Lembre-se: qualidade de vida envolve uma série de cuidados, como alimentação saudável, prática de exercícios físicos e equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Quem sai ganhando com essas boas práticas é você!

Fonte: http://goo.gl/q3u4Eh 


Compartilhe isso:

Ânimo nas atividades físicas durante o inverno

O inverno costuma ser o período em que a preguiça e o desânimo atingem os níveis mais altos devido as baixas temperaturas, propícias para aproveitar um filme embaixo das cobertas. Como consequência, as pessoas deixam de se exercitar e a frequência das práticas esportivas diminui consideravelmente.

Mas, o que nem todo mundo sabe, é que a estação mais fria do ano também é excelente para a prática de exercícios físicos. Afinal, o organismo perde menos água e utiliza mais energia para se movimentar, o que pode ajudar aqueles que desejam obter alto gasto calórico.

Primeiro passo rumo às atividades

Algumas semanas depois que você começa a frequentar a academia, seu corpo se acostuma às novas atividades e, aos poucos, sente cada vez mais vontade de se movimentar, mesmo que o clima não esteja muito agradável. Porém, para que essa vontade não seja abalada pela preguiça, o preparador físico José Rubens D’Elia sugere algumas ações simples, como explicou no programa Bem Estar.

1. Determine prazos  

Programar os treinos somente para a semana seguinte é uma maneira de adiar as atividadesfísicas. Por isso, busque prazos mais curtos, para uma prática constante.

2. Visualize os resultados 

Conforme D’Elia explica, “quando temos claro o que vamos ganhar, obtemos força para mandar a preguiça embora”. Assim, reflita sobre todos os benefícios que a atividade física pode proporcionar, como melhora da coordenação motora e aumento da força e do bem-estar.

3. Dê prêmios a você  

Atingiu os cinco quilômetros? Exercitou-se todos os dias da semana? Experimente recompensar a si mesmo com uma sessão de cinema, por exemplo. Dessa forma, a sua autoestima aumenta, você mantém o foco na continuidade e começa a enxergar a atividade física como um hábito, e não uma obrigação.

 

Fonte: http://goo.gl/4Vc3cE​


Compartilhe isso:

Entenda como são feitos os exercícios do treinamento funcional

O treinamento funcional é um método de trabalho ainda mais dinâmico que os treinos convencionais. Ele é caracterizado por mesclar diferentes capacidades físicas em um único exercício. Assim, o foco passa de um grupo muscular isolado para todo o corpo - os movimentos trabalham a força muscular, a flexibilidade, o sistema cardiorrespiratório, a coordenação motora e o equilíbrio. 

Na academia há diversos aparelhos que trabalham um músculo por vez e, em geral, os praticantes não precisam pensar muito para realizar os exercícios. Mas para fazer o treinamento funcional são usados apenas alguns acessórios e os exercícios apresentam uma complexidade maior. Apesar dos benefícios do treino global, pode haver um risco maior para lesões. O melhor então é contar sempre com a supervisão de um especialista, um profissional de Educação Física. 

Quem pode fazer?

Além de fatores como idade e sexo, a prática do treinamento funcional tem muito a ver com o histórico de cada praticante. Pessoas que, ao longo da vida, praticaram diversas modalidades esportivas e atividades físicas, certamente se adaptarão melhor a este tipo de treinamento. Devido à complexidade envolvida, esse método não é um dos mais indicados para as pessoas previamente sedentárias. O ideal para este público é se preparar com exercícios mais simples, como a própria musculação, antes de se submeter ao treinamento. 

Em alguns exercícios, a carga de trabalho é exercida pelo próprio peso do corpo somado ao equilíbrio. No entanto, também pode ser realizado com acessórios e até alguns equipamentos específicos que já existem no mercado. Entre os principais acessórios estão a bola suíça, o cinto de tração, a medicine bol, o bosu, o mini trampolim, a theraband e os cones. 

Além da tonificação muscular, o treinamento funcional implica numa maior complexidade do movimento e no envolvimento de várias capacidades físicas. Isso faz com que o organismo tenha um gasto energético muito maior, além de trazer grandes contribuições, como a melhora da flexibilidade, o emagrecimento, a otimização da coordenação motora, o ganho de equilíbrio e o condicionamento cardiorrespiratório. Isso tudo além de motivação e da elevada autoestima. 

Fonte: http://goo.gl/juksKF


Compartilhe isso:

5 dicas para fazer exercícios no verão

No verão, as pessoas transpiram mais por causa do calor, podendo ficar facilmente desidratadas ou até desmaiar. É muito importante aumentar a quantidade de água que se ingere para compensar as perdas, pois quando a umidade do ar é baixa, nem sempre se sente as gotas de suor, entretanto, há perda de água do corpo para o ambiente.

Seguem algumas dicas para fazer exercícios no verão de forma saudável:

  • Fazer exercício físico só nas horas de menor calor, antes das 10 horas ou depois das 16 horas;
  • Beber água antes, durante e após o exercício físico;
  • Colocar protetor solar no rosto, braços e pernas antes de fazer exercício físico ao ar livre;
  • Comer frutas e beber sucos naturais 2 horas antes do exercício físico pois dão energia suficiente, água e minerais;
  • Comer carboidratos depois da atividade física, uma boa dica é colocar cereais na vitamina geladaou adicionar proteínas como carne, peixe, ovo ou frango na salada para repôr a energia.

Nos dias de muito calor, água de côco é uma ótima alternativa. Isso porque é muito rica em sais minerais.

Alguns exemplos de bons exercícios físicos para fazer no verão são: as caminhadas; corridas ao ar livre; andar de bicicleta; fazer natação; jogar voleibol; surfar; pescar; e andar de patins.


Compartilhe isso:

Musculação para mulheres: os exercícios mais indicados

Não são apenas os exercícios aeróbicos, como caminhadas, corridas e bicicleta, que devem fazer parte do dia a dia das mulheres. A musculação também é uma atividade essencial para a saúde feminina. "A maioria das mulheres entra na academia com o objetivo de perder peso e por isso investem nos aeróbicos. Mas e a musculatura, como fica? É a musculação que vai ajudar a preservar a massa magra e quanto mais músculos você tiver maior será seu gasto calórico", explica o personal trainer Daniel Nunes, da Test Trainer. 

Porém, não é para desistir das atividades aeróbicas. Saiba que a combinação entre musculação e exercícios aeróbios é a melhor para a perda de gorduras. Ela fará com que o gasto calórico no pós-treino seja mais alto. A musculação também ajuda a prevenir a osteoporose, problema comum entre mulheres mais velhas, e fortalece toda a região de coluna. "Esta atividade ainda irá aliviar os sintomas da TPM, como retenção de líquidos, e em mulheres com menopausa, além de prevenir a osteoporose ainda ameniza a perda de músculos comum nesta fase", destaca a personal trainer Fernanda Andrade. 

Ao realizar os exercícios de musculação é preciso ter alguns cuidados sempre em mente. "Tenho três regras básicas para uma boa execução de movimento: escápula contraida ativação do core (que é manter o abdômen contraído) e manter a curvatura da coluna sempre preservada", orienta Daniel Nunes. 

Para quem está começando a musculação, é válido priorizar exercícios realizados em aparelhos. "Isto porque elas vão exigir menos coordenação e a pessoa poderá ter uma preocupação maior no movimento sem pensar muito na postura. Assim você também irá preservar as articulações e diminuir a incidência de lesões", destaca Daniel Nunes. 

Manter o equilíbrio entre todos os agrupamentos musculares e não focar em apenas um deles é muito melhor. "Equilibrar bem isso, sempre se preocupar com a execução correta e aumentar gradativamente a carga são cuidados muito importantes", explica Fernanda Andrade. 

A seguir, veja os exercícios de musculação mais indicados para cada parte do corpo:

Coxas

Um exercício muito comum para esta região é o adutor, que trabalha a parte interna das coxas. Este exercício consiste em uma espécie de cadeira na qual a pessoa irá se sentar e realizar movimentos de fechamento e abertura das pernas e há a possiblidade de adicionar peso a isso. Já para a área posterior das coxas, uma alternativa é o leg press, em que a pessoa fica em uma posição horizontal ou a 45 graus e precisa empurrar um peso com a sola dos pés. Por fim, outra boa opção é o agachamento, no qual usam-se pesos nos membros superiores ou nas costas para aumentar o trabalho dos músculos ao agachar e levantar.

Panturrilhas

Para as panturrilhas um dos exercícios de musculação mais realizados são os gêmeos, em que a pessoa está levantada ou na horizontal, fica na ponta do pé e volta. "Exercitar o músculo da panturrilha é importante porque ele faz parte do retorno venoso, a engrenagem que realiza a volta do sangue para o coração. Também é indicado para quem fica muito tempo de pé", conta Fernanda Andrade.

Glúteos

O stiff é uma ótima alternativa para exercitar os glúteos. Com a postura ereta, pés ligeiramente afastados e na linha dos ombros, segure o halter ou barra na frente e flexione o ombro descendo a frente, flexione um pouco o joelho e volte. Os agachamentos também atuam nos glúteos. Os abdutores contribuem para o fortalecimento dos glúteos e culote, eles são feitos na mesma cadeira do adutor, mencionado acima, porém o movimento é realizado com o peso na parte externa das coxas.

Abdômen

Um exercício muito indicado para o abdômen é a prancha. Trata-se de uma atividade em que a pessoa fica na horizontal apoiada no cotovelo e antebraço e na ponta dos pés. "Eu costumo indicar este exercício porque fortalece o abdômen e a lombar. Não acho correto quando a pessoa acaba de começar a academia e o profissional a coloca para realizar movimentos dinâmicos, como o abdominal, quando ele ainda nem tem musculatura da região fortalecida. Com a prancha eu fortaleço o abdômen e a lombar e somente quando estiverem fortalecidos que a pessoa estará apta para algo dinâmico", explica Daniel Nunes.

Ombros

Você tem medo de realizar exercícios de musculação nos ombros e deixá-los largos? Calma! Saiba que isto é algo muito raro. "Na verdade, o ombro ser largo ou não depende da estrutura óssea da pessoa e não da musculação", observa Daniel Nunes. O supino na máquina, aparelho em que a pessoa senta e estende e retrai os braços com peso, é uma boa opção para fortalecer a musculatura dos ombros. A elevação lateral com halteres, em que a pessoa de pé e carregando halteres abre os braços até a altura dos ombros, também é uma boa alternativa para exercitar a região.

Peitoral

O supino reto é uma boa alternativa para trabalhar o peitoral feminino, ele consiste em deitar em um banco horizontal, segurar uma barra ou duas anilhas e desce-lo em direção ao peitoral e subir novamente. O crucifixo inclinado também é uma boa alternativa, para realiza-lo deixe os braços aproximados aos cotovelos um pouco flexionados e os halteres na linha dos olhos. Afaste simultaneamente os braços até a linha dos ombros e volte à posição inicial.

Braços

Para trabalhar o músculo do tchau, o tríceps, uma boa opção é o tríceps francês. Neste exercício a pessoa se senta e coloca um braço apoiado na cabeça com a outra mão apoia o cotovelo e o movimento é feito como se a pessoa estivesse dando uma martelada para cima. Outra boa alternativa é o tríceps no pulley, em que a pessoa se posiciona em frente à máquina, segura uma pequena barra e realiza movimentos de descida e retorno. Já para exercitar o bíceps, os halteres são uma boa alternativa. Nesta atividade a pessoa carrega um halter em cada braço e então abaixa e depois sobe o braço.

Fonte: http://goo.gl/CF7Cyc

 

 


Compartilhe isso: