Blog DiCorpo

Se você procura qualidade, inovação e bem-estar,
seja bem-vindo à DiCorpo!

Entenda por que a autoestima interfere tanto na sua vida

Gostar de si mesmo, acreditar no seu potencial e confiar na sua capacidade e se respeitar são elementos básicos da definição de autoestima. Pela lista é possível ter uma pequena noção da importância dela. No entanto, seu poder é ainda maior. Acredite: a autoestima é um dos principais recursos do ser humano para viver bem. Basicamente, ela determina a maneira como as pessoas se relacionam com o mundo, encaram os desafios da rotina diária e se protegem ou se expõem em situações que exigem controle emocional.

De acordo com a psicóloga Doralice Lima, a autoestima desempenha um papel fundamental na convivência familiar, no trabalho, no grupo de amigos e em equipes. "O movimento do mundo acontece porque pessoas que acreditam nelas mesmas compartilham ideias. Esses indivíduos têm autoconfiança, um fator que pode atrair e entusiasmar a sociedade e promover mudanças", explica.

Como desenvolver a autoestima
A boa notícia é que a autoestima pode ser desenvolvida e aperfeiçoada ao longo da vida. Naturalmente, seu grau pode ser ainda mais elevado se for estimulada desde cedo, ainda na infância. Porém, o fator não é determinante, segundo Doralice. "Para ter e manter a autoestima em alta não basta olhar só para si. A visão do que está em volta da sua realidade, ou seja, da sociedade, é muito importante. Se a visão é negativa e pessimista, certamente a impressão que você terá de si mesmo será ruim. E o ser humano tem capacidade para incorporar esta visão ao longo do tempo", diz a profissional.

Da mesma forma que a autoestima pode ser adquirida aos poucos, a longo prazo, é importante ressaltar que ela é variável e nem sempre anda em compasso. Segundo pesquisas realizadas nos Estados Unidos, conduzidas pela Universidade de Dakota do Norte, ela se alterna em elevada e baixa, dependendo de um contexto ou situação.

Uma pessoa bem sucedida e resolvida na profissão, por exemplo, pode ter uma vida pessoal caótica por causa de insegurança.

O levamento norte-americano indica que por causa desta variação, aumentar a autoestima é um processo que precisa ser canalizado de forma coerente. Se o problema está no trabalho, o ser humano deve canalizar o aumento da autoestima para situações daquela realidade e não para a estética, por exemplo.

Melhorar a autoestima requer um mergulho profundo dentro de si mesmo. De acordo com especialistas, fazer uma avaliação do próprio comportamento e convicções, questioná-los e descartar aquilo que não traz harmonia para a vida é o primeiro passo para aumentá-la.

Segundo Doralice, a tarefa não é das mais difíceis, mas exige um trabalho contínuo para modificar e romper padrões comportamentais que, às vezes, foram usados por quase uma vida inteira. "Celebrar as conquistas, fazer exercícios, manter o foco nos aspectos positivos da vida e examinar o passado e perceber os erros e acertos são formas de aumentar a autoestima e dar mais sentido à existência", aponta.

Livros sobre tema não faltam, relembra a psicóloga. De acordo com a profissional, até uma simples leitura nos manuais de autoajuda são positivos, pois sinaliza que o indivíduo está tentando, de alguma forma, ser mais feliz consigo mesmo.

Fonte: encurtador.com.br/blxHP


Compartilhe isso:

5 mitos sobre o estilo de vida fitness

O estilo de vida fitness é cercado de mitos que são disseminados por pessoas que não entendem nada do assunto. Várias delas costumam acreditar em algumas dessas histórias, principalmente quem está desesperado para alcançar resultados rápidos. E uma consequência direta é o mal rendimento do treino, o que acaba prejudicando que o alcance dos objetivos iniciais com a prática de exercícios.

Neste post, vamos falar sobre cinco mitos muito comuns em relação ao mundo fitness. Confira!

1. Fazer muitos abdominais é a única forma de perder barriga

Algumas pessoas têm a falsa ideia de que fazer muitos abdominais ajuda a secar e a definir a barriga. O que esse exercício faz na verdade é fortalecer os músculos dessa região. Então antes de querer uma barriga tanquinho, você precisa eliminar a gordura dessa área. Para ficar trincada, é necessário uma dieta saudável, combinada com exercícios aeróbicos e abdominais para fortalecer essa região.

2. Mulher que treina pesado fica com o corpo fitness exagerado

Esse é um receio muito comum entre diversas mulheres que desejam adotar o estilo de vida fitness. E com tantas famosas mostrando músculos exagerados, é até compreensível que algumas delas pensem que essa afirmativa é verdadeira. Mas essa história não passa de um mito, pois o treino pesado ajuda as mulheres a tonificar os músculos e a ter um corpo definido. Um body masculinizado é resultado de treinos específicos como é o caso dos fisiculturistas, dos problemas hormonais e do uso de substâncias ilícitas.

3. Quanto mais tempo durar o exercício, melhores serão os resultados

Outra inverdade que ronda o mundo fitness é a quantidade de exercícios. Muitas pessoas pensam que é preciso passar horas na academia para atingir os resultados esperados. A verdade é que o que importa na obtenção de bons resultados é a intensidade do treino e não o tempo do exercício.

4. Malhar transforma gordura em músculo

Saúde e qualidade de vida são aliados diretos na vida de quem pratica exercícios.

Esse é um mito muito comum que várias pessoas acreditam. Porém, a gordura e o músculos são dois tecidos diferentes e por isso não tem como transformar um em outro. O que acontece na verdade é que, com a prática de exercícios aliada à uma dieta saudável, a gordura corporal diminui e há um ganho de massa magra. Por isso é comum as pessoas se confundirem e pensarem que um tecido se virou o outro.

5. É possível alcançar bons resultados sem acompanhamento profissional

Há alguns relatos na internet de pessoas que conseguiram emagrecer e conquistaram um corpo invejável criando sua própria dieta e sua rotina de treinos. Por isso, algumas pessoas pensam que não precisam de ajuda profissional, pois se outra conseguiu, ela também é capaz. Mas vale lembrar que cada organismo tem um metabolismo diferente, ou seja, cada objetivo requer uma dieta e treinos específicos. Além disso, a prática de exercícios sem a devida supervisão pode causar lesões. Por isso, antes de aderir ao estilo de vida fitness, você deve procurar um profissional de saúde qualificado para lhe passar as devidas orientações em relação a mudanças alimentares e a rotinas de exercícios.

Fonte: https://bit.ly/2HIEi17


Compartilhe isso:

Como se alimentar no outono

Caracterizado pelo nascimento de frutos, pelo clima rigorosamente seco e a temperatura fria, o outono está presente durante os meses de março a junho. É nessa época do ano que pessoas com doenças crônicas, como asma, bronquite e que possuem problemas respiratórios precisam ter um acompanhamento médico mais frequente, além também do surgimento constante de resfriados e gripes.

Por isso, é preciso ter uma alimentação diferenciada e capaz de suprir as necessidades que o corpo precisa durante esse período. Para isso, redobrar a atenção e garantir um cardápio balanceado são itens fundamentais para o corpo humano.

Segundo a nutricionista Regina Fiozzini, é preciso incluir na dieta algumas vitaminas e saias minerais. “O clima seco pede que comamos frutas frescas, verduras em demasiado,além de legumes cozidos à vapor”, comenta Regina.

É imprescindível também consumir frutas com vitamina C para a prevenção de possíveis resfriados. “Eu recomendo tomar pelo menos, um copo de suco de laranja ao acordar e outro ao deitar. A laranja possui vitaminas para evitar que o corpo esteja suscetível a gripes”, ensina a nutricionista.

Durante o outono, beba bastante água, alimente-se com propriedade e esqueça os sanduíches. “Com a correria do dia a dia, as pessoas se alimentam de forma bastante errada. Nessa época do ano, é preciso redobrar a atenção e não deixar de se alimentar de duas em duas horas. Para isso, prefira sucos, barrinhas de cereais ou até mesmo uma fruta”, afirma Regina.

Dicas de alimentação para o outono

A nutricionista Regina Fiozzini dá algumas dicas e ensina como se alimentar no outono:

Consuma bastante rúcula, aipim, nozes e sucos como abacaxi com hortelã, laranja e acerola. “Invista em uma alimentação balanceada e saudável, como o famoso arroz com feijão, rúcula com condimentos e um bife grelhado”, recomenda a nutricionista.

Como o clima é bastante seco, beba bastante líquido. “A água é a melhor opção para se tomar em todas as estações do ano. Beber alguns copos durante o dia equilibra o organismo e traz a hidratação necessária ao corpo”, sugere Regina.

Opte pelos ensopados, afinal, é neles que você pode misturar diversos nutrientes em uma única alimentação. “As sopas são ideais para garantir energia e vitamina ao organismo. Invista nas receitas com legumes, feijão e carnes cozidas”, diz Regina Fiozzini.

Frutas como melancia, melão e abacaxi são ideais para hidratar o organismo. “As frutas cítricas também são ótimas opções para incrementar o cardápio”, ensina a nutricionista.

Porém, é preciso tomar certo cuidado e pedir orientações do seu médico para ele indicar a melhor dieta para todas as estações do ano. “Cada pessoa precisa ter determinada quantidade de nutrientes, açúcar e até sal diferentes. Por isso, é preciso visitar regularmente o especialista e realizar aqueles exames de rotina para garantir que o cardápio.

Fonte: https://bit.ly/2Jgb3oz


Compartilhe isso:

8 dicas sustentáveis de beleza para colocar em prática já

Uma das metas para 2019 da minha colega de baia, a produtora de conteúdo de beleza Camila Sawamura, é usar produtos de beleza mais sustentáveis e naturais e também reduzir a quantidade de plástico da sua rotina de beleza. Fiquei com isso na cabeça porque achei a ideia inspiradora, mas também me surgiram muitas dúvidas de como mudar essa rotina (em que a gente acaba ficando superacomodada) a fim de reduzir os impactos negativos no meio ambiente. Ninguém melhor do que uma expert no assunto para nos ajudar nessa missão, né?

Convidamos  Giovanna Nader, consultora de moda & beleza consciente + criadora do Projeto Gaveta (que promove feiras de trocas de roupas e acessórios) para nos dar uma "luz". Abaixo, ela te conta 8 dicas de beauté do bem que podem impactar positivamente o meio ambiente. Vamos lá?

Com a palavra, Gi:

1. Usar (mesmo) cosméticos naturais

"Nossa pele absorve tudo com extrema rapidez, e o que a gente passa sobre ela cai diretamente na nossa corrente sanguínea. Prova disso são os medicamentos em adesivos como anticoncepcional e nicotina, né? Os cosméticos industriais contêm produtos sintéticos e derivados do petróleo em sua composição. Já tentaram ler o rótulo e se depararam com ingredientes de nomes esquisitos? Por outro lado, já temos infinitas marcas com ingredientes naturais e orgânicos.

Esse mercado já é tão representativo, que possui um crescimento de 10% maior que o dos cosméticos convencionais. Mas aqui precisamos nos atentar quanto ao Greenwashing (termo usado para a marca que se diz ser sustentável, quando na realidade não é). Por ser uma categoria nova, existe uma fraca regulamentação nos rótulos. Na embalagem está escrito “produto 100% natural’, mas quando olhamos a composição, está cheios de produtos sintéticos. Quer uma dica? Aqui vale também se aventurar e produzir seu próprio cosmético, que sai mais barato e ainda vem sem embalagem. Viva o YouTube, que está recheado de tutoriais ensinando como produzir seu próprio desodorante, sabonete, creme corporal..."

Bora reduzir o número de embalagens?

"O mercado de cosméticos está sempre em constante crescimento, já repararam? Pode haver uma crise, mas sempre temos graninha pra mais um creminho. Se eu relembrar o que tinha no meu banheiro há 10 anos atrás (#10yearschallenge, rs), era pouquíssima coisa: apenas um tipo de shampoo, outro de condicionador, hidrantante, sabonete e só. Hoje, nossas bancadas são recheadas de cosméticos e a sensação é que sempre cabe espaço para o último lançamento. Vibramos tanto com a inovação que nem nos atentamos à embalagem, que normalmente é feita de plástico e lá se vão mais resíduos para os oceanos.

Em alguns países, já se vende cosmético a granel (sonho), mas por aqui a ANVISA ainda não permitiu. A boa notícia é que existem algumas soluções para você reduzir seu descarte de embalagem. Uma delas é optar, sempre que der, por embalagens de vidro. Elas são mais fáceis de reutilizar, servindo tanto para armazenar seus cosméticos artesanais, quanto temperos de cozinha. A outra é dar preferência à shampoos e condicionadores sólidos e sabonetes em barra. Se feitos por marcas artesanais, eles ainda vem embalados em soluções que agridam menos o meio ambiente, como o papel ou até em folhas secas."

Discos reutilizáveis ao invés de algodão... Boa ideia!

"Quer diminuir ainda mais o seu descarte de lixo caseiro? Substitua o algodão que você usa pra remover maquiagem por disquinhos reutilizáveis. Eles podem ser de crochê ou de tecido de algodão. A primeira opção você pode comprar pronto (várias marcas já vendem) ou, quem quiser se aventurar, pode procurar um tutorial na internet e fazer seu próprio disquinho. Fun! Já o de paninho é fácil que só. Basta cortar em pequenos pedaços, cinco camadas de tecido de algodão (pode ser aquela camiseta antiguinha que você não usa mais), costurá-las uma sobre as outras e pronto. Para limpar, é só lavar de tempos em tempos com água e sabão."

Óleo de coco para tirar a maquiagem

"Sabia que o óleo e coco é um ótimo demaquilante natural? Ele remove perfeitamente base, batom, sombra e até rímel a prova d’água. Façam o teste! Ainda, de quebra, é um ótimo hidratante. Eu aplico o produto com a ponta dos dedos, massageando e “derretendo” o make. Depois removo com o disquinho reutilizável e lavo com água e sabão."

Dê uma chance para o coletor menstrual

"Estimo que a gente use cerca de 20 absorventes durante o nosso ciclo menstrual. Ao todo, são 240 absorventes que a gente descarta no lixo por ano. Esses absorventes, além de não serem biodegradáveis, são compostos por adesivos termoplásticos, celulose, polietileno, propileno, papel siliconado, polímero superabsorvente e agente controlador de odor. Ufa! Muito produto químico em contato direto com nossa vagina, não acha? Há um tempo me tornei adepta do coletor menstrual. É só usar durante todo o dia e no fim descartar o sangue no vaso sanitário (ou no meu caso, plantar a lua), lavar com água e sabonete e usar novamente. De tempos em tempos, esterilizo com água fervendo."

O bambu é pop!

"Ao invés da escova de dente de plástico, invista nas de bambu. Enquanto o plástico leva, em média, 450 anos pra se decompor, o bambu é um material sustentável e biodegradável. Por ser uma planta, tem rápido crescimento e não é considerado desmatamento."

Que tal apostar nos cotonetes ecológicos?

"Se eu pudesse nomear o maior vilão da poluição plástica eu escolheria os cotonetes. Por serem fininhos, as estações de tratamento não conseguem retê-los e eles acabam nos oceanos. Lá, devido a oxidação e ondas do mar, eles se quebram em mínimos pedacinhos e são confundidos com alimentos por animais marinhos, que os ingerem e acabam morrendo. Algumas marcas já se atentaram para isso e estão produzindo cotonetes biodegradáveis. No lugar do plástico, hastes de papelão. Esses aí da foto são da marca Needs e facilmente encontrados em farmácias."

Use desodorante sem alumínios

"Já foi comprovado cientificamente que os desodorantes com alumínios podem provocar câncer de mama. Os sais do alumínio presentes obstruem os poros da pele e impedem a eliminação das toxinas pelas axilas. Essas toxinas se acumulam nas glândulas abaixo das axilas, região onde a maioria dos cânceres de mama aparecem.

Há um tempo uso pedra de alume, um antitranspirante 100% natural. Quando molhada e passada sobre a pele, ela cria uma película com efeito adstringente, que evita o mal cheiro e a transpiração. Dica de quem vem testando “na pele”: nesse calor é bom levar ela com você e repassar algumas vezes durante o dia. Outra opção aqui é usar o bicarbonato de sódio, aplicando-o diretamente sobre a pele, ou investir em desodorantes naturais."

Fonte: https://glo.bo/2H9mr3G


Compartilhe isso:

Cinco maneiras de manter a saúde com a chegada da estação

Durante o outono, as mudanças bruscas de temperatura e baixa umidade do ar contribuem na proliferação de doenças causadas por vírus e transmitidas com maior facilidade por causa dos ambientes fechados ou com grande volume de pessoas. E não vá achando que somente as crianças estão suscetíveis às viroses, os adultos também costumam sofrer com os problemas respiratórios como asma, rinite ou gripe, que se manifestam com maior intensidade durante essa época do ano.

De acordo com a pneumologista Andrea Sette, do Hospital e Maternidade São Luiz, crianças, idosos e pacientes de doenças crônicas estão classificados no grupo de risco e mais vulneráveis a síndromes gripais, que atingem vias inferiores (caso de bronquites e pneumonias) e vias superiores (tosse seca e rinite). "Durante a troca de estações as condições crônicas tornam-se mais abaladas para pacientes de bronquites, asma, rinite e sinusites. O uso de umidificadores de ar pode amenizar as dificuldades respiratórias. É importante, também, estar atento a possíveis irritações nos olhos. Secura e coceira podem indicar um quadro de conjuntivite, comum durante o outono. Em casos de tosse e febre por mais de cinco dias o ideal é procurar tratamento médico", explica a médica.

Mas não é só o sistema respiratório que acaba comprometido durante o outono, a pele também fica mais ressecada e, consequentemente, mais propensa a rachaduras ou alergias. "O ar mais seco e a baixa temperatura dificultam a dispersão de partículas, o que compromete o sistema respiratório e cardiovascular", explica Andrea. Para quem costuma sofrer com a chegada do outono, saiba que a prevenção ainda é o melhor remédio contra os male da estação. Não acredita? A pneumologista lista cinco dicas de como manter a saúde e a beleza mesmo com a baixa dos termômetros.

Mantenha os níveis de hidratação do corpo: no verão nos preocupamos muito com a hidratação, pois perdemos muito liquido. No outono não é diferente. As temperaturas são mais baixas, porém o ar está mais seco. O consumo de líquidos é essencial, principalmente de água.

Evite longa permanência em locais fechados: a proliferação de alguns vírus é ainda maior nessa época do ano. Locais fechados favorecem isso. É importante sempre deixar janelas abertas e permitir que o ar se renove.

Pratique a higienização a todo momento: não só durante a troca de estações, lavar as mãos deve se tornar um hábito. Estamos em contato com diversos objetos que podem estar contaminados, por isso é imprescindível lavar as mãos com água e sabonete líquido, de preferência, e sempre que possível fazer uso do álcool em gel para finalizar.

Mantenha uma alimentação balanceada: as síndromes gripais, mais comuns durante a estação, acometem principalmente crianças e idosos por conta do sistema imunológico frágil. Ter uma alimentação equilibrada com os nutrientes e vitaminas necessárias evita que o corpo fique suscetível a contaminações.

Hidrate bem a pele: é comum notarmos que a pele fica mais seca com a chegada do outono. Isso pode acarretar rachaduras e irritações que desenvolvem alergias na pele. O ideal é usar um hidratante específico para o rosto e outro para o corpo. Banhos quentes também devem ser evitados, pois favorecem o processo de ressecamento da pele.


Compartilhe isso: