Blog DiCorpo

Se você procura qualidade, inovação e bem-estar,
seja bem-vindo à DiCorpo!
Voltar

Dicas para se livrar do vício em smartphones

A psicóloga Renata Maransaldi explica que uma das causas mais comuns desse vício é a sensação de mundo perfeito que é transmitida pelas redes sociais. Assim, com o passar do tempo, a pessoa prefere trocar as experiências da vida real pela vida virtual. Dessa forma, os smartphones se tornaram o jeito mais fácil e mais prático de saciar essa vontade de viver em mundo com uma realidade perfeita.

Entretanto, é importante ressaltar que há diferenças entre o uso em excesso da tecnologia e o vício em tecnologia. Este último é caracterizado pela dificuldade em controlar um impulso, ou seja, a pessoa não consegue recusar essa vontade e precisa cada vez mais alimentar o vício para sentir prazer.

Como saber se estou viciado?

Essas são algumas das características mais comuns de alguém que está criando o vício ou já está viciado em smartphones:

  •  Preocupação com a internet;
  • Necessidade de aumentar o tempo conectado para ter o mesmo prazer;
  •  Esforços repetitivos para diminuir o uso da rede;
  • Irritabilidade quando o tempo for limitado;
  • Mais tempo on-line do que se pretendia;
  • Relações sociais em risco pelo uso excessivo;
  • Mentir aos outros sobre a quantidade de horas conectadas;
  • Usar a internet como forma de fugir dos problemas ou para se sentir bem

Atividades alternativas ao uso de smartphones

Segundo Renata, para superar esse vício é necessário achar outras atividades que sejam estímulos concorrentes. “A pessoa precisa encontrar algo que substitua o prazer causado pelo uso de smartphones”, complementa a psicóloga.

  • Atividade física : A substância que libera o prazer durante o uso de tecnologias é a mesma que dá a sensação de prazer durante a prática de atividades físicas.
  • Cursos: Invista em cursos, de preferência presenciais, para que a atenção tomada pelo smartphone seja substituída por novos conhecimentos.
  • Leia livros: Dirija a sua atenção aos livros e faça disso algo diário. Substitua as horas investidas nos aplicativos em outras histórias e foque nisso!
  • Crie uma rotina: “É importante que a pessoa tenha uma rotina e deixe o aparelho celular apenas para quando for extremamente necessário o seu uso, decida o momento que você terá acesso”, explica Renata Marasaldi.

É importante que a pessoa avalie sua relação com a tecnologia para descobrir se a mesma está ocupando o espaço das relações pessoais. Caso a pessoa não consiga fazer essa avaliação, é necessário pedir ajuda de pessoas próximas, para que elas ajudem nesse momento de readaptação.

Fonte:http://goo.gl/AncOAq

 


Compartilhe isso: