Blog DiCorpo

Se você procura qualidade, inovação e bem-estar,
seja bem-vindo à DiCorpo!

Como se alimentar no outono

Caracterizado pelo nascimento de frutos, pelo clima rigorosamente seco e a temperatura fria, o outono está presente durante os meses de março a junho. É nessa época do ano que pessoas com doenças crônicas, como asma, bronquite e que possuem problemas respiratórios precisam ter um acompanhamento médico mais frequente, além também do surgimento constante de resfriados e gripes.

Por isso, é preciso ter uma alimentação diferenciada e capaz de suprir as necessidades que o corpo precisa durante esse período. Para isso, redobrar a atenção e garantir um cardápio balanceado são itens fundamentais para o corpo humano.

Segundo a nutricionista Regina Fiozzini, é preciso incluir na dieta algumas vitaminas e saias minerais. “O clima seco pede que comamos frutas frescas, verduras em demasiado,além de legumes cozidos à vapor”, comenta Regina.

É imprescindível também consumir frutas com vitamina C para a prevenção de possíveis resfriados. “Eu recomendo tomar pelo menos, um copo de suco de laranja ao acordar e outro ao deitar. A laranja possui vitaminas para evitar que o corpo esteja suscetível a gripes”, ensina a nutricionista.

Durante o outono, beba bastante água, alimente-se com propriedade e esqueça os sanduíches. “Com a correria do dia a dia, as pessoas se alimentam de forma bastante errada. Nessa época do ano, é preciso redobrar a atenção e não deixar de se alimentar de duas em duas horas. Para isso, prefira sucos, barrinhas de cereais ou até mesmo uma fruta”, afirma Regina.

Dicas de alimentação para o outono

A nutricionista Regina Fiozzini dá algumas dicas e ensina como se alimentar no outono:

Consuma bastante rúcula, aipim, nozes e sucos como abacaxi com hortelã, laranja e acerola. “Invista em uma alimentação balanceada e saudável, como o famoso arroz com feijão, rúcula com condimentos e um bife grelhado”, recomenda a nutricionista.

Como o clima é bastante seco, beba bastante líquido. “A água é a melhor opção para se tomar em todas as estações do ano. Beber alguns copos durante o dia equilibra o organismo e traz a hidratação necessária ao corpo”, sugere Regina.

Opte pelos ensopados, afinal, é neles que você pode misturar diversos nutrientes em uma única alimentação. “As sopas são ideais para garantir energia e vitamina ao organismo. Invista nas receitas com legumes, feijão e carnes cozidas”, diz Regina Fiozzini.

Frutas como melancia, melão e abacaxi são ideais para hidratar o organismo. “As frutas cítricas também são ótimas opções para incrementar o cardápio”, ensina a nutricionista.

Porém, é preciso tomar certo cuidado e pedir orientações do seu médico para ele indicar a melhor dieta para todas as estações do ano. “Cada pessoa precisa ter determinada quantidade de nutrientes, açúcar e até sal diferentes. Por isso, é preciso visitar regularmente o especialista e realizar aqueles exames de rotina para garantir que o cardápio.

Fonte: https://bit.ly/2Jgb3oz


Compartilhe isso:

8 dicas sustentáveis de beleza para colocar em prática já

Uma das metas para 2019 da minha colega de baia, a produtora de conteúdo de beleza Camila Sawamura, é usar produtos de beleza mais sustentáveis e naturais e também reduzir a quantidade de plástico da sua rotina de beleza. Fiquei com isso na cabeça porque achei a ideia inspiradora, mas também me surgiram muitas dúvidas de como mudar essa rotina (em que a gente acaba ficando superacomodada) a fim de reduzir os impactos negativos no meio ambiente. Ninguém melhor do que uma expert no assunto para nos ajudar nessa missão, né?

Convidamos  Giovanna Nader, consultora de moda & beleza consciente + criadora do Projeto Gaveta (que promove feiras de trocas de roupas e acessórios) para nos dar uma "luz". Abaixo, ela te conta 8 dicas de beauté do bem que podem impactar positivamente o meio ambiente. Vamos lá?

Com a palavra, Gi:

1. Usar (mesmo) cosméticos naturais

"Nossa pele absorve tudo com extrema rapidez, e o que a gente passa sobre ela cai diretamente na nossa corrente sanguínea. Prova disso são os medicamentos em adesivos como anticoncepcional e nicotina, né? Os cosméticos industriais contêm produtos sintéticos e derivados do petróleo em sua composição. Já tentaram ler o rótulo e se depararam com ingredientes de nomes esquisitos? Por outro lado, já temos infinitas marcas com ingredientes naturais e orgânicos.

Esse mercado já é tão representativo, que possui um crescimento de 10% maior que o dos cosméticos convencionais. Mas aqui precisamos nos atentar quanto ao Greenwashing (termo usado para a marca que se diz ser sustentável, quando na realidade não é). Por ser uma categoria nova, existe uma fraca regulamentação nos rótulos. Na embalagem está escrito “produto 100% natural’, mas quando olhamos a composição, está cheios de produtos sintéticos. Quer uma dica? Aqui vale também se aventurar e produzir seu próprio cosmético, que sai mais barato e ainda vem sem embalagem. Viva o YouTube, que está recheado de tutoriais ensinando como produzir seu próprio desodorante, sabonete, creme corporal..."

Bora reduzir o número de embalagens?

"O mercado de cosméticos está sempre em constante crescimento, já repararam? Pode haver uma crise, mas sempre temos graninha pra mais um creminho. Se eu relembrar o que tinha no meu banheiro há 10 anos atrás (#10yearschallenge, rs), era pouquíssima coisa: apenas um tipo de shampoo, outro de condicionador, hidrantante, sabonete e só. Hoje, nossas bancadas são recheadas de cosméticos e a sensação é que sempre cabe espaço para o último lançamento. Vibramos tanto com a inovação que nem nos atentamos à embalagem, que normalmente é feita de plástico e lá se vão mais resíduos para os oceanos.

Em alguns países, já se vende cosmético a granel (sonho), mas por aqui a ANVISA ainda não permitiu. A boa notícia é que existem algumas soluções para você reduzir seu descarte de embalagem. Uma delas é optar, sempre que der, por embalagens de vidro. Elas são mais fáceis de reutilizar, servindo tanto para armazenar seus cosméticos artesanais, quanto temperos de cozinha. A outra é dar preferência à shampoos e condicionadores sólidos e sabonetes em barra. Se feitos por marcas artesanais, eles ainda vem embalados em soluções que agridam menos o meio ambiente, como o papel ou até em folhas secas."

Discos reutilizáveis ao invés de algodão... Boa ideia!

"Quer diminuir ainda mais o seu descarte de lixo caseiro? Substitua o algodão que você usa pra remover maquiagem por disquinhos reutilizáveis. Eles podem ser de crochê ou de tecido de algodão. A primeira opção você pode comprar pronto (várias marcas já vendem) ou, quem quiser se aventurar, pode procurar um tutorial na internet e fazer seu próprio disquinho. Fun! Já o de paninho é fácil que só. Basta cortar em pequenos pedaços, cinco camadas de tecido de algodão (pode ser aquela camiseta antiguinha que você não usa mais), costurá-las uma sobre as outras e pronto. Para limpar, é só lavar de tempos em tempos com água e sabão."

Óleo de coco para tirar a maquiagem

"Sabia que o óleo e coco é um ótimo demaquilante natural? Ele remove perfeitamente base, batom, sombra e até rímel a prova d’água. Façam o teste! Ainda, de quebra, é um ótimo hidratante. Eu aplico o produto com a ponta dos dedos, massageando e “derretendo” o make. Depois removo com o disquinho reutilizável e lavo com água e sabão."

Dê uma chance para o coletor menstrual

"Estimo que a gente use cerca de 20 absorventes durante o nosso ciclo menstrual. Ao todo, são 240 absorventes que a gente descarta no lixo por ano. Esses absorventes, além de não serem biodegradáveis, são compostos por adesivos termoplásticos, celulose, polietileno, propileno, papel siliconado, polímero superabsorvente e agente controlador de odor. Ufa! Muito produto químico em contato direto com nossa vagina, não acha? Há um tempo me tornei adepta do coletor menstrual. É só usar durante todo o dia e no fim descartar o sangue no vaso sanitário (ou no meu caso, plantar a lua), lavar com água e sabonete e usar novamente. De tempos em tempos, esterilizo com água fervendo."

O bambu é pop!

"Ao invés da escova de dente de plástico, invista nas de bambu. Enquanto o plástico leva, em média, 450 anos pra se decompor, o bambu é um material sustentável e biodegradável. Por ser uma planta, tem rápido crescimento e não é considerado desmatamento."

Que tal apostar nos cotonetes ecológicos?

"Se eu pudesse nomear o maior vilão da poluição plástica eu escolheria os cotonetes. Por serem fininhos, as estações de tratamento não conseguem retê-los e eles acabam nos oceanos. Lá, devido a oxidação e ondas do mar, eles se quebram em mínimos pedacinhos e são confundidos com alimentos por animais marinhos, que os ingerem e acabam morrendo. Algumas marcas já se atentaram para isso e estão produzindo cotonetes biodegradáveis. No lugar do plástico, hastes de papelão. Esses aí da foto são da marca Needs e facilmente encontrados em farmácias."

Use desodorante sem alumínios

"Já foi comprovado cientificamente que os desodorantes com alumínios podem provocar câncer de mama. Os sais do alumínio presentes obstruem os poros da pele e impedem a eliminação das toxinas pelas axilas. Essas toxinas se acumulam nas glândulas abaixo das axilas, região onde a maioria dos cânceres de mama aparecem.

Há um tempo uso pedra de alume, um antitranspirante 100% natural. Quando molhada e passada sobre a pele, ela cria uma película com efeito adstringente, que evita o mal cheiro e a transpiração. Dica de quem vem testando “na pele”: nesse calor é bom levar ela com você e repassar algumas vezes durante o dia. Outra opção aqui é usar o bicarbonato de sódio, aplicando-o diretamente sobre a pele, ou investir em desodorantes naturais."

Fonte: https://glo.bo/2H9mr3G


Compartilhe isso:

Cinco maneiras de manter a saúde com a chegada da estação

Durante o outono, as mudanças bruscas de temperatura e baixa umidade do ar contribuem na proliferação de doenças causadas por vírus e transmitidas com maior facilidade por causa dos ambientes fechados ou com grande volume de pessoas. E não vá achando que somente as crianças estão suscetíveis às viroses, os adultos também costumam sofrer com os problemas respiratórios como asma, rinite ou gripe, que se manifestam com maior intensidade durante essa época do ano.

De acordo com a pneumologista Andrea Sette, do Hospital e Maternidade São Luiz, crianças, idosos e pacientes de doenças crônicas estão classificados no grupo de risco e mais vulneráveis a síndromes gripais, que atingem vias inferiores (caso de bronquites e pneumonias) e vias superiores (tosse seca e rinite). "Durante a troca de estações as condições crônicas tornam-se mais abaladas para pacientes de bronquites, asma, rinite e sinusites. O uso de umidificadores de ar pode amenizar as dificuldades respiratórias. É importante, também, estar atento a possíveis irritações nos olhos. Secura e coceira podem indicar um quadro de conjuntivite, comum durante o outono. Em casos de tosse e febre por mais de cinco dias o ideal é procurar tratamento médico", explica a médica.

Mas não é só o sistema respiratório que acaba comprometido durante o outono, a pele também fica mais ressecada e, consequentemente, mais propensa a rachaduras ou alergias. "O ar mais seco e a baixa temperatura dificultam a dispersão de partículas, o que compromete o sistema respiratório e cardiovascular", explica Andrea. Para quem costuma sofrer com a chegada do outono, saiba que a prevenção ainda é o melhor remédio contra os male da estação. Não acredita? A pneumologista lista cinco dicas de como manter a saúde e a beleza mesmo com a baixa dos termômetros.

Mantenha os níveis de hidratação do corpo: no verão nos preocupamos muito com a hidratação, pois perdemos muito liquido. No outono não é diferente. As temperaturas são mais baixas, porém o ar está mais seco. O consumo de líquidos é essencial, principalmente de água.

Evite longa permanência em locais fechados: a proliferação de alguns vírus é ainda maior nessa época do ano. Locais fechados favorecem isso. É importante sempre deixar janelas abertas e permitir que o ar se renove.

Pratique a higienização a todo momento: não só durante a troca de estações, lavar as mãos deve se tornar um hábito. Estamos em contato com diversos objetos que podem estar contaminados, por isso é imprescindível lavar as mãos com água e sabonete líquido, de preferência, e sempre que possível fazer uso do álcool em gel para finalizar.

Mantenha uma alimentação balanceada: as síndromes gripais, mais comuns durante a estação, acometem principalmente crianças e idosos por conta do sistema imunológico frágil. Ter uma alimentação equilibrada com os nutrientes e vitaminas necessárias evita que o corpo fique suscetível a contaminações.

Hidrate bem a pele: é comum notarmos que a pele fica mais seca com a chegada do outono. Isso pode acarretar rachaduras e irritações que desenvolvem alergias na pele. O ideal é usar um hidratante específico para o rosto e outro para o corpo. Banhos quentes também devem ser evitados, pois favorecem o processo de ressecamento da pele.


Compartilhe isso:

14 alimentos tendência que você vai ver em todo lugar em 2019

É fato que leites vegetais e receitas com abacate, por exemplo, reinaram totalmente em 2018. Mas com um novo ano chegando, também teremos uma nova safra de alimentos tendência. E, francamente, 2019 está se preparando para ser muito delicioso.

Embora a ideia de tendências alimentares possa parecer ridícula – nada é realmente novo, e comida é comida –, segui-las pode ser uma ótima maneira de variar sua dieta, experimentar coisas novas e manter uma alimentação saudável, interessante e divertida.

Tenha em mente: muitas dessas tendências destacam alimentos que têm sido populares em outras culturas por séculos. Eles podem ser novos para você, mas definitivamente já existiam em outros lugares muito antes do Instagram.

14 alimentos tendência de 2019

1. A pasta de amendoim dará lugar às pasta de sementes

A pasta de amendoim é um clássico, e as de castanhas amêndoa e caju têm sido atrativas durante anos. E, enquanto pastas de sementes como girassol e tahini não são novidade – na verdade, tahine tem sido um ingrediente básico na culinária do Oriente Médio por séculos – espere começar a vê-las em todos os lugares em 2019.

“Fique de olho nas pastas de sementes de girassol, abóbora e melancia, que compartilham o mesmo perfil de gordura das outras versões, mas podem oferecer uma alternativa para aqueles com alergias a nozes, por exemplo”, diz o relatório KIND 2019 Healthy Snacking Trend. Os especialistas já estão cientes da nova tendência. Contudo, Miho Hatanaka, nutricionista nos Estados Unidos, recomenda evitar marcas com adição de açúcar. Em vez disso, opte por aquelas feitas apenas com sementes e sal marinho.

2. Comidas “feias” vão brilhar

Empresas de alimentos há muito tempo têm o hábito de destruir ingredientes que não são bonitos o suficiente para vender. Contudo, os consumidores conscientes estão pegando fogo. A batalha contra o desperdício de alimentos não é nova. A campanha wasteW, do chef Dan Barber, por exemplo, incentiva o uso de restos de comida e produtos “feios” em restaurantes. Contudo, ela ganhará ainda mais força em 2019.

A comida bonita não é mais saudável que outras e a redução do desperdício é importante para o planeta. Então, vá em frente com aquelas cenouras tortas.

3. Harissa estará em todas as despensas

Não há necessidade de se livrar do tempero de aves e do cominho moído. Contudo, é bom já criar espaço na despensa para temperos como harissa, dukkah e ras el hanout. Todos eles são muito utilizados na culinária africana.

Harissa – uma pasta levemente picante feita com pimenta vermelha, tomate, pimentão e algumas outras especiarias – pode ser uma substituta do extrato de tomate em quase todas as receitas, além de ter um impacto nutricional similar.

4. Açúcar adicionado terá outro demérito

Os fabricantes não precisam, tecnicamente, listar os açúcares separadamente dos açúcares naturais nas embalagens até janeiro de 2020, de acordo com a FDA. Mas a KIND prevê que você verá a linha de “adição de açúcar” na maioria das etiquetas nutricionais no próximo ano.

Especialistas são totalmente a favor disso. “Açúcares naturais de frutas e vegetais vêm com fibra, o que retarda a digestão e fornece energia estável sem um pico de açúcar no sangue”, explica Germaine Guy, nutricionista nos Estados Unidos. Da mesma forma, os açúcares encontrados em laticínios vêm embalados com proteínas e gorduras satisfatórias. Açúcares adicionados (como de cana e xarope de milho) não adicionam valor nutricional, e é por isso que as diretrizes dietéticas do USDA recomendam limitá-los a menos de 10% do total de calorias diárias.

Dito isso, não há necessidade de enlouquecer totalmente e eliminar todo o açúcar – doces são ótimos com moderação!

5. A água de coco terá concorrência

Durante anos, a água de coco foi comercializada como ótimo hidratante, cura para ressaca e alternativa à água comum. Em 2019, procure outras águas alternativas para assumir o controle da bebida.

O Healthy Snacks Trend Report KIND destaca dois em especial: “água de bordo, que contém menos da metade do açúcar da água de coco, assim como a água do cacto, que é promovida para a revitalização da pele”.

Enquanto essas águas levemente doces não vão te prejudicar, a Academy of Nutrition Dietetics diz ser cautelosa com suas alegações. Essas bebidas não têm mais poder hidratante do que a água natural, além de terem açúcar sem fibra. Portanto, beber demais pode levar a um pico de açúcar no sangue.

6. Vitaminas e suplementos estão de saída

Embora estejamos mais obcecados com o bem-estar do que nunca, o relatório de tendências do KIND prevê que as vitaminas e os suplementos processados devem estar de saída. Em vez disso, estamos mudando para um foco mais aguçado em atender às necessidades nutricionais com alimentos integrais.

Isso não é novo. As diretrizes dietéticas do USDA afirmam claramente que “as necessidades nutricionais devem ser atendidas principalmente por alimentos”, e a Academy of Nutrition and Dietetics aconselha a atender às necessidades nutricionais com uma dieta mais variada possível, em vez de depender de vitaminas e suplementos caros.

7. Os probióticos estarão nas prateleiras, não apenas na sua geladeira

As pesquisas sobre a saúde intestinal estão crescendo em grande parte porque os cientistas estão esperançosos de que uma melhor compreensão do microbioma humano possa levar à melhoria da saúde pública. Durante anos, os probióticos foram apontados como uma ótima maneira de aumentar as bactérias saudáveis no intestino – alimentos fermentados como iogurte, além de pílulas refrigeradas e fórmulas têm sido o método de entrega para essas bactérias.

Para 2019, espere probióticos em produtos de prateleira. “As marcas focadas no bem-estar estão facilitando a obtenção de mais probióticos, adicionando ingredientes funcionais aos produtos básicos como granola, aveia, manteigas, sopas e barras nutricionais”, diz o último relatório de tendências de 2019 da Whole Foods.

Embora provavelmente não haja nada de errado com flocos de milho enriquecidos com probióticos, a ciência ainda está nos estágios iniciais, e realmente não há como ter certeza de que você está recebendo mesmo as bactérias saudáveis com esses alimentos.

Procure rótulos que digam “culturas vivas e ativas”, orienta Bonnie Taub-Dix, nutricionista nos Estados Unidos. Isso significa que há, pelo menos, 100 milhões de bactérias por grama.

8. A jaca será o novo substituto de carne

“A jaca é uma alternativa popular à carne, já sendo usada no lugar de itens como carne de porco desfiada de churrasco”, de acordo com o relatório da Whole Foods. A fruta é nativa do sudeste da Ásia e também é cultivada em partes da África e da América do Sul. Os americanos o usam como substituto da carne há alguns anos (graças a uma textura fibrosa que imita carne de porco ou carne bovina), mas 2019 será o ano em que a jaca puxada realmente decola.

“A jaca é uma boa fonte de ferro, cálcio e vitaminas do complexo B, e usá-la como um substituto para a carne ajuda a reduzir calorias e gordura saturada de sua dieta”, diz Taub-Dix. “No entanto, deve-se notar que a jaca tem um teor de proteína muito menor em comparação com carne. São 2,8 gramas por porção contra cerca de 21 gramas, bem como 31 gramas de açúcar por xícara.”

9. Sua cesta de frutas terá uma pegada tropical

Cansada de açaí? Você pode estar com sorte. A Whole Foods está prevendo que frutas tropicais como goiaba, pitaya, carambola e maracujá serão o centro das atenções em 2019.

Se você está cansado da sua maçã, troque por uma dessas frutas tropicais de vez em quando. “Frutas diferentes têm perfis nutricionais ligeiramente diferentes, mas todas são ricas em fibras, vitaminas e carboidratos saudáveis”, explica Keri Gans, nutricionista e autora de The Small Change Diet (EUA).

10. Substitutos de carne serão seu lanche

De acordo com o relatório da Whole Foods, lanches como crepes à base de cogumelos, carne seca à base de soja e “bacon chips” de cogumelos continuarão ganhando força em 2019, como uma alternativa aos tradicionais lanches de carne.

“A proteína que vem de alimentos vegetais pode suprir sua ingestão diária”, diz ela. Embora não sejam proteínas completas, tem todos os aminoácidos essenciais ao ingerir vários tipos diferentes.

11. Sua experiência no supermercado terá alta tecnologia

A contagem de calorias funciona para algumas pessoas. Já outras não querem estar totalmente informadas sobre o que estão comendo o tempo todo. A Kroger está tentando tornar a alimentação saudável um pouco mais fácil com seu novo aplicativo, o OptUP, que acompanha os mantimentos que você compra e usa as informações personalizadas para fazer sugestões para trocas saudáveis e melhores escolhas alimentares.

Allison Kuhn, nutricionista e diretora de nutrição da Kroger (EUA), explica que o aplicativo leva em consideração seu padrão atual de compra e alimentação, e tem como objetivo levá-lo a escolhas um pouco mais saudáveis. “Trata-se de alcançar um equilíbrio saudável em geral”, diz ela. Logo, não é sobre registrar todos os alimentos que você consome e se sentir culpada por suas escolhas.

12. Frozens de abacate, hummus e água de coco invadirão os freezers

Sorvetes livres de laticínios, feitos com leites alternativos, estão finalmente acertando nos departamentos de sabor e textura, de acordo com o relatório de tendências Whole Foods.

Este ano, as marcas levarão as coisas um passo adiante ao experimentar novas bases de sorvete, como homus, abacate e tahine. “Eu amo isso, porque quando sua base é algo denso em nutrientes, como grão de bico ou abacate, é garantido que você está recebendo coisas boas”, diz Kuhn. Ela explica que as guloseimas congeladas são uma ótima maneira de as marcas experimentarem diferentes ingredientes, porque não estragam como acontece com os alimentos frescos.

13. Hummus de sobremesa será A tendência

Embora não haja nada de errado em se acabar em um chocolate quando der vontade às vezes, Kuhn adora as novas opções de hummus de sobremesa e acha que elas ficarão ainda mais populares no novo ano.

Essas sobremesas à base de grão de bico geralmente contêm adição de açúcar, então não são exatamente um alimento saudável, mas também contêm fibras e proteínas que não são encontradas na sobremesa tradicional.

14. Você pode finalmente aprender a fazer pão

“A panificação está em ascensão, especialmente quando se trata de massa fermentada”, segundo as 100 principais tendências do Pinterest para 2019. Kuhn concorda que as pessoas estão cada vez mais interessadas em cozinhar mais em casa e que assar pão pode ser uma deliciosa experiência culinária.

Mas ela diz que ainda é possível comprar bons pãos. “No mercado hoje, há muitas opções extremamente saudáveis”, diz ela. Procure por 100% de grãos integrais no rótulo e misture experimentando um pão assado com um grão novo.

 

Fonte: https://bit.ly/2QJH9rj


Compartilhe isso:

Dez atitudes para aumentar a autoestima e ser mais feliz

Autoestima é uma avaliação positiva ou negativa que uma pessoa faz de si mesma em algum grau a partir de emoções, ações, crenças, comportamentos ou qualquer outro tipo de conhecimento de si próprio.

A autoestima ou valor dado a cada pessoa por si mesma é fundamental para o bem-estar mental e físico de qualquer pessoa, já que a aceitação de si mesmo se reflete em cada aspecto da vida.

Desde que nascemos, nossa vida nos determina condições para sermos estimados. Só seremos bem tratados e cuidados se formos obedientes, se sentarmos direito, se nos alimentarmos como desejam, se estudarmos, trabalharmos, se temos sucesso pessoal e profissional. Entretanto, segundo a escola humanista da psicologia de Rogers:

Todo ser humano, sem exceção, pelo mero fato do ser, é digno do respeito incondicional dos demais e de si mesmo; merece estimar-se a si mesmo e que se lhe estime.

O que é autoestima?

Na visão da psicanálise, a autoestima está relacionada diretamente ao desenvolvimento do ego. Sigmund Freud utilizava a palavra alemã Selbstgefühl, especificando dois significados: consciência de uma pessoa a respeito de si mesma (sentimento de si), e vivência do próprio valor a respeito de um sistema de ideais (sentimento de estima de si). Este “sentimento de estima de si” que descreve Freud é a autoestima.

A percepção de nós mesmos a partir de nossos modos de agir e pensar é o que gera sentimentos de inferioridade ou superioridade,autocrítica, autocensura, narcisismo ou egoísmo. Todas essas características influenciam diretamente em nossas experiências, no bem-estar e na nossa qualidade de vida.

Os pilares da autoestima

Potreck-Rose e G. Jacob (2006) propõem uma abordagem psicoterapêutica para baixa autoestima baseada no que elas chamam de “os quatro pilares da autoestima”. Esses pilares são:

1. Autoaceitação

Uma postura positiva com relação a si mesmo como pessoa. Inclui elementos como estar satisfeito e de acordo consigo mesmo, respeito a si próprio, ser “um consigo mesmo” e se sentir em casa no próprio corpo;

2. Autoconfiança

Uma postura positiva com relação às próprias capacidades e desempenho. Inclui as convicções de saber e conseguir fazer alguma coisa, de fazê-lo bem, de conseguir alcançar alguma coisa, de suportar as dificuldades e de poder prescindir de algo;

3. Competência social

É a experiência de ser capaz de fazer contatos. Inclui saber lidar com outras pessoas, sentir-se capaz de lidar com situações difíceis, ter reações flexíveis, conseguir sentir a ressonância social dos próprios atos, saber regular a distância-proximidade com outras pessoas;

4. Rede social

Estar ligado a uma rede de relacionamentos positivos. Inclui uma relação satisfatória com o parceiro e com a família, ter amigos, poder contar com eles e estar à disposição deles, ser importante para outras pessoas.

autoestima

Os dois primeiros pilares representam a dimensão intrapessoal da autoestima, os dois outros sua dimensão interpessoal. O tratamento consiste em diferentes exercícios que têm por fim capacitar a pessoa a realizar cada um desses passos dos diferentes pilares. Mas antes de se começar o trabalho no primeiro pilar, há um trabalho preparatório dedicado à formação do amor-próprio ou cuidado consigo mesmo (em alemão, Selbstzuwendung), que se desenvolve em três passos:

    1. tornar-se atento e consciente das próprias emoções, sentimentos, sensações, necessidades corporais e psíquicas;
    1. relacionar-se respeitosa e amorosamente consigo mesmo; e
  1. cuidar de si.

Os exercícios incluem técnicas de relaxamento, mindfulness, técnicas para lidar com o crítico interno e de se tornar consciente das partes positivas de si, e muitas técnicas de reestruturação cognitiva e de auto reforço, típicas da terapia cognitivo-comportamental.

Como melhorar a autoestima?

Pessoas que possuem alta autoestima costumam ser mais fortes, resistir à situações adversas por acreditarem mais em seu próprio potencial de mente e ação. Mas como praticar uma boa autoestima? Aqui vão 10 atitudes que podem te ajudar.

1. Elimine a culpa

Um dos principais motivos para uma baixa autoestima é o sentimento constante de culpa. Seja por não estar fazendo algo ou por aquilo que foi feito, é muito comum segurarmos a sensação de que somos culpados pela vida que estamos levando. Procure eliminar esse sentimento, abraçando cada vez mais a leveza de sermos seres livres e que, se estamos agindo de forma danosa para nós ou para o outro, a oportunidade de mudança está presente a cada novo segundo.

2. Não se compare com os outros

O mundo em que vivemos é sustentado pela competitividade. Isso nos faz acreditar que nosso próprio sucesso pessoal ou profissional só será alcançado quando superarmos o de outras pessoas. Deixe as comparações todas de lado. Cada ser é tão único, complexo, cheio de experiências, dores e felicidades como você. A alegria de uma pessoa não é a mesma da outra, assim como o sofrimento. Quando se trata da vida, não existe base de comparação: faça o que te faz bem. 

3. Não generalize suas experiências

Não é porque você cometeu um erro no passado que agora irá cometê-lo novamente. Não estamos aprisionados nos conceitos que criaram para nós ou que nós mesmos criamos. Podemos nos movimentar o tempo todo e visualizar as situações dessa forma ajuda para que esse movimento se torne mais natural, mais leve.

4. Confie em si mesmo

Não espere que os outros te deem a motivação necessária para agir. Encontre forças em si para confiar nos seus movimentos e levar sua vida para onde você deseja. É muito mais fácil conseguir alcançar seus objetivos quando sua mente já está inclinada em acreditar no seu sucesso. 

5. Seja mais compassivo com seus erros

Não foi dessa vez? Não deixe que um erro cometido seja razão para que você desanime. Se você consegue perdoar os outros, precisa conseguir perdoar a si mesmo também. Desenvolver um olhar compassivo para suas atitudes vai te fazer viver melhor. 

6. Entenda o que funciona para você

O que te faz se sentir mais autoconfiante é praticar um exercício? Aprender algo novo? Fazer alguma atividade em que você já tem domínio? Ter um contato mais próximo com uma comunidade? Praticar a solidariedade? Encontre o que funciona para a sua situação e volte a isso sempre que sentir sua autoestima diminuindo. 

7. Seja sincero consigo mesmo

Da mesma forma que mentir para os outros é prejudicial, mentir para nós mesmos também nos faz cair em situações danosas. Seja sincero com suas dificuldades e facilidades. Abrace suas fraquezas e suas forças, alimentando o equilíbrio da mente com relação à cada uma delas, sem se entregar ao narcisismo e sem se abalar pela autocrítica excessiva. 

8. Comece a agradecer

Ser grato tem a força de cultivar melhores experiências. Quando notamos todo o bem que há ao nosso redor, especialmente o bem que há dentro de nós e nas ações que fazemos no mundo, somos mais felizes e conseguimos nos impulsionar para melhores atitudes.

9. Comemore suas vitórias

Certamente sua vida não foi só feita a partir de erros. Só o fato de você existir e estar vivo já é uma vitória para ser comemorada. Faça com que cada novo objetivo alcançado seja um impulso positivo e contente, que te leve em direção de seu equilíbrio físico e mental. 

10. Viva no presente

O mais importante ato de crescimento da autoestima é viver no agora. Não importa o que já foi feito ou o que irá acontecer, o que você pode fazer neste momento para ser mais confiante e se alegrar mais por seu próprio ser? Viver no presente é o melhor presente que você pode dar a si.

A autoestima é como uma flor que precisa ser regada. Depois que você começa a fornecer água, ela cresce e se espalha por toda a sua vida de forma positiva. Comece a alimentar esse cuidado de si e perceba como tudo fica mais simples e bonito.

Fonte: https://bit.ly/2sZCKHx


Compartilhe isso: